Informação

Agroflorestal/Silvicultura

Este grupo foi criado para apresentar notícias, discussões, informações técnicas, artigos-científicos ( caso tenham algum trabalham publicam aqui no grupo) sobre silvicultura, integração lavoura agropecuária, manejo dentre outros assuntos pertinentes que envolve essa linda área. 

Não fique de fora, participem!

Membros: 19
Última atividade: 19 Abr, 2016

SBS - Sociedade Brasileira de Silvicultura

As plantações de eucalipto no Brasil

Por Sebastião Renato Valverde 

No Brasil, periodicamente, surgem acintosas críticas quanto ao eucalipto e a eucaliptocultura vindas, em muitos casos, de pessoas e instituições que, do ponto de vista técnico, social, econômico e ambiental, não são as mais apropriadas para tal.

Reconhecemos que existem críticos sérios e instituições de peso discutindo e apontando falhas nesta questão, o que é extremamente salutar para o setor florestal continuar progredindo; o problema é que o lado pejorativo disso, muitas vezes, pode retardar o crescimento da área plantada, prejudicando, assim, os produtores rurais, as indústrias florestais e o próprio Brasil.

Desta forma, buscando refletir sobre o que tem de positivo e real nas colocações é que ousamos comentar sobre tal assunto, no sentido de contribuir para que melhor se esclareça a população, sem querer esgotá-lo, dadas as suas magnitudes e complexidades.

O eucalipto é uma espécie arbórea pertencente à família das Mirtáceas e nativa, principalmente, da Austrália. São mais de 670 espécies conhecidas, apropriadas para cada finalidade de aplicação da madeira. No Brasil, seu cultivo em escala econômica deu-se a partir de 1904, a partir do trabalho do agrônomo silvicultor Edmundo Navarro de Andrade, para atender a demanda da Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Mais precisamente a partir de 1965, com a lei dos incentivos fiscais ao reflorestamento, sua área de plantio no Brasil aumentou de 500 mil para 3 milhões de hectares.

Esses incentivos, sob os aspectos sócio-econômicos, contribuíram para uma maior participação do setor no PIB, emprego, renda, impostos e balança comercial. Sob o aspecto ambiental, vale ressaltar uma diminuição na pressão sobre as florestas nativas, abrigo para a fauna, proteção das águas e dos solos, melhoria da qualidade do ar, recuperação de áreas degradadas, contribuição para a mitigação do efeito estufa, etc.

Mesmo utilizando pouco da sua potencialidade, o setor florestal ainda é capaz de contribuir com cerca de 5% do PIB, US$3 bi em impostos e US$16 bi em exportações (segundo maior em superávit comercial), empregar mais de 2 milhões de pessoas e remunerar seus trabalhadores melhor que os de atividades similares. Praticamente, as plantações florestais destinadas à produção de madeira para energia, celulose e processamento mecânico, são muito mais responsáveis pela formação dos macro-indicadores do setor florestal brasileiro do que as florestas nativas, apesar dos seus quase 500 milhões de hectares disponíveis para produção contra apenas 5 milhões de plantio, sendo 3 de eucalipto, 1,8 de pinus, e o restante, outras espécies (seringueira, teca, etc).

No que tange ao mercado florestal, este tem melhorado substancialmente devido ao aquecimento da economia internacional e brasileira. Em função do rápido crescimento das plantações de eucalipto, que atingem produtividades cerca de 10 vezes mais que as dos países líderes deste mercado, o Brasil vem ganhando posições de destaque. Para se ter idéia, o crescimento das florestas na Finlândia, país tradicionalmente florestal, alcança, em média, rendimentos de 5 m 3 /ha.ano, Portugal, 10, Estados Unidos, 15, África do Sul, 18, e Brasil, 35; podendo porém alcançar de 60 a 70 m 3 /ha.ano. Vários estudos têm comprovado estes ganhos de competitividade da indústria florestal (celulose, chapas e serrados), em detrimento dos países tradicionais decadentes, que incomodados e convulsivos, suspiram ao verem frutificar iniciativas suicidas à eucaliptocultura no Brasil.

Os projetos de reflorestamento, independente da espécie plantada, caracterizam-se pelo elevado risco, técnico e econômico, a que estão sujeitos. Na maioria das vezes, estes riscos estão associados ao longo prazo, onde tudo se torna possível de ocorrer, como incêndios, pragas, doenças, sinistros, volatilidades de mercado e preços, afetando a viabilidade e a atratividade destes projetos. Outra característica deste tipo de projeto é o preço ainda baixo da madeira, em razão da existência de uma condição de mercado onde a competição se faz de forma imperfeita, prejudicial no curto prazo aos produtores rurais e, no médio e longo prazo, às empresas e consumidores.

No entanto, começam a se observar mudanças significativas neste mercado, onde o aumento na demanda por madeira, sem a correspondente oferta, tem provocado elevações nos preços. O diferencial deste tipo de projeto comparado com o agrícola, é que o aumento nos preços não se reflete imediatamente no aumento da oferta, pelo fato de que do plantio à colheita leva-se, pelo menos, de seis a sete anos.

Isto está provocando mudanças profundas e favoráveis ao mercado, valorizando a madeira e aumentando a atratividade. Como alteração estrutural, pode-se dizer que vem ocorrendo o repasse da atividade florestal aos produtores rurais, reduzindo assim os latifúndios e a monocultura e seus impactos ao ambiente e à população rural. Geralmente, este repasse tem sido feito através de uma parceria entre empresas florestais e produtores rurais, denominada de fomento florestal.

Mesmo diante de tantos benefícios das plantações florestais para a nação, estranhamente ganham espaço as críticas que comentaremos abaixo, que enquanto construtivas são bem vindas, porém, do contrário, devem ser rechaçadas.

As principais críticas alegam que o eucalipto é uma espécie exótica, piora o déficit hídrico do solo, reduz a fertilidade e o pH do mesmo, afugenta a fauna, as plantações formam grandes latifúndios e monocultura, apresenta pouca contribuição na geração e formação da renda e emprego, provocam o êxodo rural e reduzem o valor da propriedade.

Antes de se tecer quaisquer comentários, gostaríamos de esclarecer ao amigo leitor, que os fenômenos naturais são complexos e dinâmicos, difíceis de serem diagnosticados, mensurados e prognosticados. Então, quando vemos pessoas leigas falando com propriedade de determinados efeitos da eucaliptocultura sobre o meio, nos estarrecemos, pois nem os maiores especialistas do assunto, muitas das vezes, não afirmam categoricamente a respeito.

Tal como o eucalipto, praticamente toda a nossa base

Fonte

SBS

Fórum de discussão

SISTEMA ELLEPOT – O SISTEMA RADICULAR DO EUCALIPTO

Veja este vídeo na TV AGROSOFTExperiência da Fazenda Santa Vergínia, em Bataguassu, no…Continuar

Iniciado por Soc. Mineira de Eng. Agrônomos 19 Abr, 2016.

PLANTIOS FLORESTAIS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA

Veja este vídeo na TV AGROSOFTAnimação que mostra como os plantios florestais podem ser…Continuar

Tags: AMBIENTE, TV, AGROSOFT, MEIO, NACIONAIS

Iniciado por Soc. Mineira de Eng. Agrônomos 6 Abr, 2016.

FAZENDA PIONEIRA EM INTEGRAÇÃO REVOLUCIONA PRODUÇÃO NO CERRADO

Quem hoje ouve Marize Porto Costa falar com conhecimento de causa sobre o engenhoso sistema de produção adotado em sua…Continuar

Iniciado por Soc. Mineira de Eng. Agrônomos 4 Abr, 2016.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Agroflorestal/Silvicultura para adicionar comentários!

Comentário de Soc. Mineira de Eng. Agrônomos em 29 julho 2013 às 12:49

Caro Altair

Saudações agronômicas

Exatamente, por sinal aqui em Minas Gerais, especialmente no nosso querido Brasil, detemos de mais tecnologia, pesquisas relacionadas com a área, esse setor tende a crescer cada vez mais. Mediante isso, esteja a vontade para apresentar artigos técnicos-científicos, dentre outros assuntos sobre o respectivo tema.

Att.

Comentário de altair roberto de carvlho em 29 julho 2013 às 12:43

a agricultura familiar que alimenta 75% dos povos do Brasil tem que caminhar também nesta proposta de agroflorestas

 

Membros (18)

 
 
 

© 2018   Criado por Soc. Mineira de Eng. Agrônomos.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço